Solpoesia

A palavra é uma grande metáfora; tudo pode signicar;"palavra aceita tudo".

Meu Diário
17/08/2015 15h30
O encontro de espíritos e o amor impossível

Na vida acontecem encontros, desencontros e reencontros motivados pela busca do grande amor. Para algumas pessoas o amor é profissão, para outras é maternidade e para outras, ainda, é o celibato. Porém, para uma grande parcela o amor representa o encontro com aquele ou aquela que será a própria razão de viver.

Mas como explicar esses encontros que resultam numa explosão de sentimentos que nos fazem acreditar que aquela pessoa é a pessoa certa? Será que é simplesmente química orgânica ou algo a mais que “a nossa vã filosofia não consegue compreender”?

Porém, para nós espíritas que acreditamos na reencarnação, entendemos que esse “estado de alma” tem origem na lei das afinidades. Isto é, os espíritos, quando encarnados ou não, estabelecem intensos laços afetivos de amor e amizade que exercem forte atração quando se encontram novamente encarnados. Todavia, existem aqueles espíritos que necessitam experimentar a solidão para refletir sobre os excessos cometidos em vidas pregressas ou passar por provações que necessitam vencer.

Seja como for, o amor é uma conquista pessoal que exige atitude, intenção  e continuidade. Não é possível amar alguém sem antes amar a si mesmo (para amar é preciso se amar em primeiro lugar). Em outras palavras, a maioria dos sofrimentos nasce do fato de não termos a certeza que nos amamos ou se desejamos ser amados; se amamos tal pessoa de fato ou se queremos possuí-la como um objeto; ou ainda, se o que sentimos é amor ou se é um paliativo para as nossas carências.

Quando nos apaixonamos por alguém que já está compromissado com outra pessoa ou quando nutrimos um desejo secreto por outrem também comprometido, devemos nos afastar imediatamente, evitando, assim, nos tornarmos um instrumento de tentação e queda no caminho daquela pessoa. Da mesma forma, se não conseguimos conter nossos impulsos na presença de quem desconhece tal intenção, melhor será tomar a iniciativa de evitar o encontro com aquela pessoa.

Insistir em um relacionamento afetivo sem que sejamos correspondidos é o mesmo que confessar que carecemos de amor próprio e que estamos adoecidos pela mágoa e pelo egoísmo, pois, a afeição e o amor saudável são sempre recíprocos e generosos.

Se vivemos com alguém que  não nos ama com a mesma intensidade é porque ainda não encontramos quem, verdadeiramente, nos fará feliz.

Viver trocando de supostos afetos, como se faz com alguma peça de roupa, desprezando os sentimentos alheios envolvidos nesta constante troca, reserva ao praticante desconsolo no futuro; ninguém lesa o outro sem lesar a si mesmo.

Quem ama de forma consciente e responsável, sem desejar a posse do outro, ainda que se desencontre do ser amado, haverá de se reencontrar aqui ou acolá, pois o amor é um imã que faz almas afins se atraírem de forma irresistível.

O amor entre dois parceiros significa a conquista da felicidade terrena e a consequência disso é a atração de boas vibrações, o que os torna capazes de enfrentarem as expiações e provas a que estarão sujeitos.

A compreensão desses fatos devolveria de imediato parte da saúde física e mental à maioria das pessoas que, adoecidas, insistem em esperar por alguém idealizado que imaginam existir ou amar e a quem atribuem a tão almejada felicidade. E por conta da espera interminável, esses melancólicos pseudo apaixonados fantasiam amores platônicos que atraem para si espíritos com a mesma vibração. Desta forma, tornam-se hospedeiros para esses espíritos que também se satisfazem com fantasias depressivas, fruto dos devaneios de quem permanece inerte diante da vida.

Cuidemos, portanto, dos nossos relacionamentos.

rodapeFLF


Publicado por Solange Galeano em 17/08/2015 às 15h30
Copyright © 2015. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
29/06/2015 15h30
Reflexões sobre a vida

Independente de ser ou não de autoria do Fabio de Melo, o texto traz uma verdade inconteste: a fragilidade dessa existência. Assim, vale à pena reproduzi-lo.

 

 

"A morte do Cristiano Araujo ou a morte de qualquer pessoa, em evidência ou não, sempre me faz pensar sobre a fragilidade da vida. Em como a vida é curta. Em que a vida não espera. Foi um acidente, mas podia ser um assalto, um tombo, um infarto... 

 

O cara era rico, famoso, jovem, talentoso tinha uma vida e uma carreira inteira pela frente, mas um acidente de carro levou-o sem aviso. De repente. Certamente, antes de ir para o show daquela noite, ele não sabia o que o aguardava. 

 

Ele provavelmente tinha muitos planos, assim como nós. Será que se ele tivesse o dom de prever o ocorrido, ele teria feito diferente? Poderia ser eu, poderia ser você... A gente acorda sem saber se vai dormir de novo.

Na vida, nos prendemos muito a sentimentos que não trazem nada de bom... Orgulho, raiva, magoa, ressentimento... Sentimentos que só nos afastam de quem amamos e de quem nos ama. Certamente, ele tinha um amigo com quem estava brigado, ou problemas não resolvidos e, infelizmente,perdeu a chance de reatar os laços de amizade ou solucionar amorosamente suas dificuldades, porque a vida não esperou.

Não podemos deixar nada para depois. Não temos esse luxo, pois a vida não espera. É sempre tao bom falar tudo o que pensamos - desde que não seja para ferir-, principalmente para quem amamos. Nunca sabemos se é a última vez que veremos alguém, se é última chance de dizer o que sentimos... 

 

Então apenas digam, engulam o orgulho e lancem fora todos os sentimentos ruins que existem dentro de cada um de vocês. Não deixem nada para a semana que vem porque a semana que vem pode não chegar."

 

A você, que vez ou outra lê o que publico, vai a minha mensagem de hoje: saiba que, independente de tudo o mais, continuo colocando você em minhas orações, pois, quando é verdadeiro o que sentimos, nada apaga a luz própria do amor.

 


Publicado por Solange Galeano em 29/06/2015 às 15h30
Copyright © 2015. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
17/03/2015 17h30
Espiritualidade

Quando eu falo em espiritualidade, não estou me referindo a nenhuma igreja,
a nenhuma religião particular, embora respeite todas. Refiro-me à espiritualidade como fazia Einstein, apontando para uma
vivência cósmica. Ou ainda Fritjof Capra, que denominou seu último livro de  “Pertencendo ao Universo”
Espiritualidade é uma consciência não-dual, uma consciência de participação da parte no Todo - que na essência é o amor e, na prática, é a solidariedade.
Uma pessoa que despertou para essa dimensão espiritual, é uma pessoa que não se vê separada do OUTRO, da Comunidade e do Universo.
Eu pergunto:
Em sã consciência,você colocaria fogo no seu corpo? Se você se sente não-separado do outro, você jogaria fogo em alguém que está dormindo num banco?
E se você se sente não-separado da natureza, você iria empesteá-la, contaminá-la, destruir ecossistemas por uma neurose qualquer?
Sem sombra de dúvida, nestes últimos séculos, temos investido de forma unilateral no mundo da matéria e os frutos são notáveis! Sintetizados na tecnociência maravilhosa de que dispomos.
A grande tragédia, entretanto é que não houve praticamente nenhum investimento significativo no mundo da subjetividade, da alma, da ética, da consciência, da essência.
O resultado encontra-se nos noticiários tristes e apocalípticos de cada dia.
Escaladas de violência, guerras infindáveis. A exclusão desumana de uma maioria que morre de fome, extinção, em massa, de espécies. Rota da colisão do ser humano com a natureza e de todo tipo de aplicações tecnológicas irresponsáveis.
Viabilizar a perpetuação com qualidade e dignidade de nossa espécie são antigas e esquecidas lições e metas.
Afinal, “De que serve o mundo inteiro se você perdeu a sua alma”?
Se você se perdeu de si mesmo? Se você esqueceu do Ser que lhe faz ser?
Felizmente, crise é também oportunidade de crescer e evoluir.
Gosto de confiar que o ser humano será a maior descoberta do Terceiro milênio


Publicado por Solange Galeano em 17/03/2015 às 17h30
Copyright © 2015. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
17/03/2015 16h15
Espiritualidade nas organizações

         Nos últimos anos aconteceram várias coisas que motivaram a introdução do tema espiritualidade também nas organizações.
     Tudo está em constante transformação e evolução: tecnologia, moda, modelos de gestão... Em que confiar? Onde depositar minha confiança e esperança?
     As principais características de uma pessoa espiritualizada: Valores éticos; intuição; criatividade; religião; fé; visão holística; respeito com o meio ambiente, responsabilidade social; compaixão, justiça.
     A espiritualidade “hoje se insere como uma dimensão estratégica, na medida em que dá mais significado à missão da empresa e ao trabalho das pessoas” 
     Qualidades comuns dos líderes empresariais espiritualmente inteligentes:

1) Praticam e estimulam o autoconhecimento.

2) São guiados por valores e ideais.

3) Convivem com a adversidade.

4) Possuem visão holística.

5) São interessados.

6) Colocam as coisas num contexto mais amplo.

7) Sabem ouvir.

8) São espontâneos.

9) Têm compaixão.


Publicado por Solange Galeano em 17/03/2015 às 16h15
Copyright © 2015. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
17/03/2015 16h12
As 4 leis da espiritualidade

As 4 Leis da Espiritualidade ensinadas na Índia

A primeira diz: “A pessoa que vem é a pessoa certa“.

Ninguém entra em nossas vidas por acaso. Todas as pessoas ao nosso redor, interagindo com a gente, têm algo para nos fazer aprender e avançar em cada situação.

A segunda lei diz: “Aconteceu a única coisa que poderia ter acontecido“.

Nada, absolutamente nada do que acontece em nossas vidas poderia ter sido de outra forma. Mesmo o menor detalhe. Não há nenhum “se eu tivesse feito tal coisa…” ou “aconteceu que um outro…”. Não. O que aconteceu foi tudo o que poderia ter acontecido, e foi para aprendermos a lição e seguirmos em frente. Todas e cada uma das situações que acontecem em nossas vidas são perfeitas.

A terceira diz: “Toda vez que você iniciar é o momento certo“.

Tudo começa na hora certa, nem antes nem depois. Quando estamos prontos para iniciar algo novo em nossas vidas, é que as coisas acontecem.

E a quarta e última afirma: “Quando algo termina, ele termina“.

Estamos nessa vida para viver inúmeras experiências, e se continuarmos sempre voltando as mesmas páginas deixaremos de ler outros livros maravilhosos que só estão aguardando por uma chance para entrar em nossas vidas. Por isso vire a última página sem dor no coração e pegue o próximo livro. 
Surpresas maravilhosas estarão  esperando por você, basta você abrir o livro e começar a ler essa nova história em sua vida.


Publicado por Solange Galeano em 17/03/2015 às 16h12
Copyright © 2015. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.



Página 1 de 9 1 2 3 4 5 6 7 8 9 [próxima»]

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras